O que é SEO e para que serve

O que é SEO?

Você já imaginou seu site posicionado entre os primeiros 3 links que aparecem no Google quando alguém pesquisa sobre o seu serviço?

Sim, isso é possível graças às técnicas de SEO. Se você não sabe o significado de SEO é importante entender que é um conjunto de técnicas que podem melhorar a visibilidade de um site ou conteúdo por meio de mecanismos de busca como o Google, gerando aumento de tráfego orgânico e autoridade.

Milhares de conteúdos são publicados todos os dias na internet, fazendo com que exista muita concorrência. Para que sua página fique em destaque para aqueles que buscam sobre o assunto, é preciso fazer uma otimização, isto é, utilizar as técnicas que influenciam os algoritmos dos buscadores a definir o ranking de uma página para a palavra-chave pesquisada.

Para colocar em prática essas técnicas, vamos entender como funciona o processo de SEO e quais são seus 3 agentes:

1 – Você, fazendo a otimização dos sites.
2 – Os mecanismos de busca, sendo o Google o principal utilizado.
3 – O usuário, fazendo uma determinada pesquisa.

Pensar em primeiro lugar no usuário é essencial para um bom ranqueamento, pois o Google sempre optará pelos resultados que melhor respondam à necessidade de quem pesquisa.

Entenda como funciona o ranqueamento do Google

Geralmente, os conteúdos mais relevantes para o usuário se encontram na primeira página de pesquisa do Google, portanto, é necessário que você entenda como é feito o ranqueamento das páginas e como colocar seu site em uma boa posição.

Você sabia que existem três tipos diferentes de busca?

Conheça quais são:

1 – Pesquisa ou busca navegacional:

Geralmente acontece, quando o usuário sabe qual site deseja visitar, mas não se lembra do endereço completo ou prefere ter um atalho ao invés de digitar tudo.

Sendo assim, é só digitar o nome do site ou uma palavra-chave que aponte a ele, e o Google logo conseguirá localizá-lo.

2 – Pesquisa ou busca informacional

É a forma mais utilizada no Google: fazer pesquisas.

Nessa forma de busca, o usuário geralmente não sabe a página específica na qual ele quer visitar, mas sabe o assunto que quer pesquisar.

Sendo assim, o Google usa a busca do usuário para apontar uma série de soluções em ordem de relevância.

3 – Pesquisa ou busca transacional

Já nessa terceira forma de busca, o usuário já tem a intenção de fazer uma transação online e utiliza o Google para isso.

Podendo ser pagar um boleto, baixar um software, fazer uma compra online, fazer download de um ebook, entre outros.

Dessa forma, o Google encontrará as páginas que vão direcionar o usuário diretamente para o local da transação desejada.

São estimados mais de 200 condições de rankeamento no algoritmo do Google e a combinação feita entre elas determina o posicionamento das páginas.

Não é fácil encontrar de maneira clara quais são os fatores utilizados pelo Google, mas alguns discursos dados por ele nos ajudam a desvendar alguns segredos. Além disso, o próprio mercado tem se movimentado para estudar o impacto de determinada ação no posicionamento de uma página.

Atualmente, temos o conhecimento de que os fatores de rankeamento se dividem em três grupos: on page, on site e off page.

On page

Nessa categoria, abordamos a parte de conteúdo da sua página. Alguns elementos específicos são mais relevantes quando o usuário faz uma busca, por isso é preciso prestar atenção nesses detalhes, com:

  • Qualidade do conteúdo;

Nenhum elemento deve vir acima de um conteúdo de qualidade, mas existem alguns fatores que podem ajudar o Google a exibir sua página em destaque.

Lembre-se que as pessoas normalmente estão fazendo outras coisas enquanto pesquisam, por isso, precisam que as informações sejam claras e organizadas, senão podem pular para outra página.

Aqui vão algumas dicas para você montar da melhor forma seu conteúdo:

· Escreva de forma clara
· Faça parágrafos curtos
· Utilize cabeçalhos
· Destaque palavras ou trechos em negrito ou itálico
· Exemplifique com imagens e vídeos

  • Título e Meta descrição;

Quando falamos sobre o título da página, nos referimos a uma propriedade do código HTML, que é um fator de extrema importância para SEO.

Geralmente, o espaço da HTML é preenchido com slogans ou frases que não usam as palavras-chave que destacam a página.

Para melhorar esse elemento, você deve colocar o tema abordado no título, utilizando as palavras em ordem de relevância para o Google. Lembre-se que esse título não pode ser muito longo para que não seja cortado nos resultados de pesquisa. É recomendado um tamanho máximo de 65 caracteres.

Já a Meta description é uma pequena introdução que encontramos logo abaixo do Título, sendo uma breve descrição do conteúdo da página. Embora não seja considerada um fator de ranqueamento para o Google, é ali que o usuário decide a relevância do assunto para suas necessidades.

Ou seja, é o momento em que o usuário decide se vai clicar ou não na sua página, por isso, é considerada uma boa descrição o texto deve ter até 150 caracteres e ter informações claras sobre o conteúdo da página.

  • Uso de Palavras-chave;

É essencial que você utilize as palavras-chave em seu conteúdo. Dessa forma, o Google dará mais relevância ao exibir sua página como resultado para quem busca aquele assunto.

Tendo isso em mente, é importante dizer que o exagero no uso da palavra-chave, pode trazer consequências para seu site, ocasionando na queda de exibição do seu conteúdo. Já que, o Google não aprova esse tipo de conduta, pois pode confundir os usuários.

  • Otimização de URL;

A URL da página é outro fator no qual o Google utiliza para fazer a varredura de palavras-chave. Diante disso, é muito importante fazer a otimização de sua URL, para que ela seja descritiva e que inclua a palavra-chave desejada.

Evite utilizar endereços com códigos ou parâmetros. Além de ajudar no ranqueamento e deixar a URL mais amigável e confiável, essa otimização torna mais fácil para os usuários compartilharem os links do seu conteúdo.

  • Links internos;

Incluir links internos em seu conteúdo pode ajudar no ranqueamento, isso porque, a internet é composta por links, por onde os usuários os robôs de cada motor de busca navegam.

A linkagem interna bem feita torna a vida do usuário mais simples, pois, facilita a navegação e o conhecimento de novas páginas para os motores de busca e relaciona páginas que abordam assuntos semelhantes;

Mas para incluir esses links, é necessário dar destaque para a utilização de algo que já esteja inserido em seu texto principal, e não adicionar indicações genéricas, como “clique aqui”.

Avaliando esses fatores, o Google entende o que o seu site está expressando e, assim, faz a indexação correta.

On site

Muitas pessoas colocam esses elementos juntos com os da categoria On page, por ocorrerem no mesmo ambiente, mas como são partes técnicas do site, que não envolvem o conteúdo em si, preferimos separar em uma terceira categoria.

Alguns fatores técnicos da sua página podem fazer com que o Google entenda a qualidade do site, ajudando no ranqueamento. Entre eles estão:

  • Tempo de carregamento da página:

Em 2010, foi anunciado pelo Google que a velocidade de carregamento das páginas se tornou um fator de ranqueamento.

Entenda através dos dados, a importância do tempo de carregamento da sua página e como ele pode afetar no ranking:

· 83% dos usuários esperam que um site carregue em 3 segundos ou menos (fonte: WebpageFX);
· 53% dos usuários mobile abandonam o site se a página demora mais que 3 segundos para carregar (fonte: Google);
· Cada 1 segundo de melhoria na velocidade da página aumenta em 7% as conversões (fonte: WebpageFX).

  • Experiência do usuário:

A experiência que o usuário tem em seu site pode influenciar no ranqueamento do Google. O buscador utiliza a taxa de rejeição, páginas visualizadas por sessão e tempo do usuário no site para avaliar a posição de cada página.

Por exemplo, quem acessa a página via dispositivos móveis espera um layout agradável e de fácil uso, já que o formato é totalmente diferente na versão para desktops. De acordo com o Google, 61% dos usuários de dispositivos mobile tendem a abandonar uma página se a experiência não for positiva.

Para saber se os usuários estão tendo uma boa experiência em seu site, você pode acessar o Google Analytics e analisar as métricas de engajamento apresentadas.

  • Segurança do site:

A segurança do site é essencial para o Google, e já foi apresentado que HTTPS é um fator de ranqueamento dos sites.

É necessário entender que em um site HTTPS, os dados enviados são autenticados, criptografados e não podem ser modificados durante a transferência.

Quem usa o Google Chrome com certeza já se deparou com um alerta de “site não seguro” em páginas sem HTTPS e que solicitam informações do usuário, e em alguns casos esse alerta já aparece na página de pesquisa, não é necessário clicar no link mais.

  • Estrutura de Heading Tags:

Atualmente, esse tópico funciona para apresentar aos robôs e usuários uma organização lógica das informações.

É importante que a sua página tenha uma estrutura organizada e lógica, por exemplo destacar as partes mais importantes do seu texto e colocar a palavra-chave no título. Dessa forma você facilita os buscadores a entenderem o assunto principal da página, por meio de palavras-chave e seus sinônimos.

  • Configuração de Rich Snippets:

Se você não sabe o que é Rich Snippets, nós explicamos:

Você já deve ter presenciado essa cena diversas vezes

Isso é Rich Snippets, quando um usuário faz uma busca e o Google mostra um resumo da página, com vários dados como informações da empresa do lado direito da tela, uma barra de pesquisas só para o site e sitelinks

Conforme algumas pesquisas, páginas que usam rich snippets possuem um aumento de em média 30% na taxa de cliques, o que ocasiona mais tráfego e pode melhorar o posicionamento orgânico do site.

Para conseguir exibir essas informações a mais, é necessário fazer algumas configurações no código do site.

Off page

Já na categoria off page, os elementos a serem considerados são de fora da página e que mostram se seu conteúdo é referência, ou seja, se você tem autoridade do conteúdo à frente dos usuários e de outros sites já existentes, com foco na aquisição de backlinks. Por exemplo:

  • Link building

Para o ranqueamento do Google, a autoridade da página e de domínio de conteúdo são essenciais. E para classificar os sites, o buscador leva em consideração os links que apontam para seu site.

Para o Google, é mais importante sua marca receber um link ou menção de um site confiável, de autoridade e que tenha relevância para seu conteúdo, do que receber vários outros de sites pequenos, sem qualquer autoridade e relevância.

Para melhorar o link building do seu negócio, existem algumas técnicas, como:

· Guest post
· Menções à marca
· Links quebrados
· Entrevistas com especialistas
· Pesquisas
· Assessoria de imprensa

  • Aumento da presença de marca;

Nesse caso, a autoridade do seu domínio não vai aumentar, mas o Google terá mais confiança no seu conteúdo. Alguns elementos que podem ajudar na sua presença de marca são as menções sem o uso de link, avaliação positiva de usuários no buscador e engajamento nas redes sociais.

Se você recebe menções com um link para o seu site, além de ajudar na presença e confiança da marca, também aumenta a autoridade do seu site e já faz parte das ações de link building.

Se os visitantes buscam diretamente pelo nome da sua marca, vários sites usam seu conteúdo como referência e você recebe vários backlinks, sua página terá cada vez mais autoridade e melhor será sua posição no ranqueamento do Google.

Entenda o que são e a importância das palavras-chave

Para que você consiga traçar uma boa estratégia de SEO, é necessário definir quais são seus objetivos, tendo em mente o que essa técnicas podem te oferecer, como aumentar o tráfego orgânico, gerar mais leads, gerar mais vendas, reduzir o custo de aquisição de clientes (CAC), educar o mercado e aumentar a autoridade da marca.

Antes de começar a fazer a pesquisa de palavras-chaves, é necessário entender os tipos existentes de keywords. Que são:

  • Head tail keyword

Essas são as palavras-chave mais comuns, e geralmente são formadas por um só termo. A utilização das head tails pode ser tentadora por terem um alto volume de buscas, mas isso significa que você terá muita concorrência e isso pode deixá-lo bem longe de atingir seu objetivo.

  • Long tail keyword

Nessa categoria se encaixa as palavras-chave de cauda longa, que podem ser formadas por quatro termos ou mais, se tornando menos concorridas.

O uso das long tails torna o assunto do seu conteúdo mais específico, fazendo com que o público que acessa sua página seja mais segmentado. É uma ótima opção, pois certamente irá melhorar o posicionamento do seu site, já que são termos menos usados.

Uma das bases de SEO, é o uso das famosas palavras-chave. Mas você sabe como fazer a pesquisa de keywords para saber quais são as palavras mais utilizadas em buscas no seu nicho de conteúdo? A gente te explica!

  • Identifique os principais assuntos e competidores

Depois de conhecer as personas do seu negócio e qual a jornada de compra que elas fazem, é necessário identificar os principais tópicos que deseja abordar. Para facilitar a visualização do passo a passo da estratégia que você vai seguir, crie um mapa mental ou documento com essas informações.

  • Faça a pesquisa das palavras que já atraem os usuários para sua página

Com certeza já existem palavras que geram tráfego orgânico para o seu site e para identificá-las você pode usar o Google Analytics. Dessa forma você entenderá quais os termos que os usuários mais buscam e novas ideias de conteúdo surgirão.

  • Busque novas palavras-chave

Essa etapa é essencial e recomendamos que seja repetida sempre, assim você estará sempre ciente se houver alguma mudança nas keywords mais utilizadas.

Você pode utilizar algumas ferramentas que auxiliam nesse processo, como:

· Planejador de palavras-chave do Google
· SEMrush
· Keywordtool
· AnswerThePublic

  • Identifique as Long tail keywords

Geralmente são formadas por pelo menos quatro termos, por isso são chamadas de palavras-chave de cauda longa.

Por serem tópicos e termos mais aprofundados sobre o assunto, são menos utilizadas, e consequentemente, podem ser uma ótima opção para evitar a grande concorrência.

  • Faça o registro de tudo e priorize a produção

Crie um documento com todas as informações coletadas, como as palavras-chave, dados de tráfego, dificuldade e custo por clique.

Organize as keywords que mais fazem sentido para seu negócio e crie os conteúdos que serão produzidos a partir delas, definindo prazos e prioridades para cada um.

  • Acompanhe o desempenho do seu conteúdo

Após todos esses passos, é de extrema importância que você monitore o posicionamento e os resultados do seu site de acordo com as palavras-chave escolhidas.

Esse processo pode te ajudar a perceber se em seu site já existe algum conteúdo voltado para aquele assunto e permite que você melhore e otimize aquele texto que já foi postado, ao invés de criar um novo do zero.

Conheça 3 ferramentas para SEO utilizadas no Brasil

A cada dia que passa, mais empresas começam a investir em SEO, fazendo com que a demanda de tornar mais ágeis os processos realizados nessa estratégia cresça.

Por isso, existem diversas ferramentas para automatizar as tarefas manuais que exigem muito tempo de execução e dificultam a priorização de atividades mais técnicas.
Apresentamos aqui 3 opções de ferramentas utilizadas no país atualmente:

Uma das funcionalidades que torna essa ferramenta mais conhecida, é a análise de concorrência, que mostra as palavras-chave de qualquer site ou domínio.

Sendo assim, você consegue analisar quais palavras-chave geram mais movimento para uma página, sendo por meio de tráfego orgânico ou pelo AdWords.

Na SEMrush você também terá outras funções para explorar, como geração de relatórios analíticos, monitoramento de posicionamento, análise de links, relatórios de erros do site, monitoramento de redes sociaise gerenciamento de projetos.

A ferramenta é uma das mais completas e com mais funcionalidades, além de ser gratuita.

Na Ubersuggest você pode fazer uma busca completa e receber centenas de opções de palavras-chave. Além de ter acesso a alguns dados como a dificuldade de ranqueamento, o CPC, tendência, entre outros.

Você também pode analisar o domínio dos seus concorrentes e identificar as palavras-chave que estão trazendo resultados para eles.

Essa é uma ferramenta do próprio Google que mostra as palavras-chave mais utilizadas. Utilizando o Google Trends é possível entender a tendência do consumidor, e pode te auxiliar a decidir sobre qual assunto escrever.

Podem ser pesquisados termos específicos, filtrar por região e alterar o período de tempo, te dando acesso a muitas informações que podem ser utilizadas estrategicamente para o seu marketing de conteúdo.

Como colocar em prática as técnicas de SEO

Agora que você entendeu o que é SEO, os fatores importantes para os buscadores, a relevância das palavras-chave e entre outras coisas, é hora de colocar em prática as técnicas que você aprendeu.

Para isso, vamos indicar os primeiros passos para você iniciar a otimização do seu site de acordo com os mecanismos de busca.

1º. Faça o diagnóstico do site e checklist de melhorias

Para dar início ao processo, é importante descobrir como está a saúde do seu site.

Sendo assim, você pode seguir um checklist com todos alguns pontos que abordamos anteriormente:

· URL amigável
· Pesquisas de palavras-chave
· Título da página
· Velocidade de carregamento
· Linkagem entre páginas e link building
· Escaneabilidade
· Conteúdos relevantes.

2º. Faça o cadastro do seu site no Google Search Console e Google Meu Negócio

Esse passo pode auxiliar muito na sua estratégia, pois você pode obter relatórios completos de análise de SEO com as melhorias que precisam ser feitas.

O Google Search Console te ajuda a monitorar e manter a presença do seu site nos resultados da pesquisa.

A utilização do Google Meu Negócio pode ajudar seus potenciais clientes a terem informações mais completas sobre sua empresa.

3º. Faça um mapa das personas e jornada

Fazendo esse estudo, você saberá alguns dados fundamentais, como localização geográfica, interesses, gênero, idade, entre outros.

Dessa forma, pode definir o que deve ser feito para cada etapa, ajudando a equilibrar a produção de conteúdo e a produzi-lo pensando nos seus futuros clientes.

4º. Pesquise as palavras-chave se baseando nas personas e suas jornadas

De acordo com o estudo feito no passo anterior, faça a pesquisa de palavras-chave voltada para seu interesse.

Descobrindo o que esses usuários estão procurando, você pode ter mais noção se que tipo de conteúdo deve produzir para atender às suas necessidades.

5º. Melhore o conteúdo que já existente

Com base na pesquisa anterior, identifique os conteúdos que já foram produzidos em seu site sobre os assuntos escolhidos e faça uma otimização, utilizando as técnicas de SEO, para melhorar o ranqueamento no Google.

Mas, se você não tem nada em sua página sobre esses temas e palavras-chave, pode criar pautas de produção e definir a prioridade de cada assunto.

Agora você já aprendeu a teoria e a prática das técnicas de SEO, mas talvez contar com a ajuda de uma empresa especializada pode ser a melhor opção. Fale conosco para saber mais!

InfographyaO que é SEO e para que serve

Posts Relacionados