Blog

Marketing para advogados: O Marketing Jurídico

Se você chegou até aqui, certamente está em busca de como captar clientes para o seu escritório de advocacia usando as técnicas de Marketing Jurídico. E nós vamos te ajudar!

Essa dúvida é muito comum entre os advogados. Isso porque o Código de Ética da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) limita a publicidade nesse ramo, possibilitando a atuação na internet somente com foco na produção de conteúdos e para construir relacionamentos.

Por isso, você que é advogado vai saber perfeitamente que surgem inúmeras dúvidas. E agora, como devo me posicionar? Como posso divulgar o meu trabalho? Qual a melhor forma de fazer publicidade e não ser prejudicado? Veja a seguir as principais respostas para as suas perguntas.

Marketing Jurídico

Atualmente, o Marketing Digital é fundamental para qualquer negócio e os advogados podem sim investir no segmento sem infringir o Código de Ética de sua profissão. É por esse motivo que foi criado o termo Marketing Jurídico, como uma forma de diferenciar o Marketing Digital para o ramo da advocacia.

Mas, antes de qualquer coisa, é necessário entender o que é o Marketing. E, para isso, vale destacar que o pai do marketing, Philip Kotler, certa vez o definiu da seguinte forma:

Marketing é a ciência e a arte de explorar, criar e entregar valor para satisfazer as necessidades de um mercado-alvo com lucro. Marketing identifica necessidades e desejos não realizados. Ele define, mede e quantifica o tamanho do mercado identificado e o potencial de lucro.

Ou seja, o marketing significa lucrar a partir da busca pelas vontades e satisfações do seu público alvo. Isso quer dizer que é fundamental estudar o seu público e descobrir o que ele realmente valoriza e espera dos seus serviços.

É importante destacar que o Código de Ética da OAB permite que os advogados tenham sites próprios e contas nas redes sociais. Sendo assim, é possível desenvolver um planejamento de marketing que atenda às necessidades de seu público alvo, bem como tornar-se uma figura de autoridade no seu segmento, diferenciando-se dos demais.

Para compreender o que diz a OAB e quais sãos os limites estabelecidos para que posteriormente essa estratégia possa ser desenvolvida, veja o que regulamenta o Provimento 94/2000, do CFOAB, que dispõe sobre a publicidade, a propaganda e a informação da advocacia:

Art. 1º. “É permitida a publicidade informativa do advogado e da sociedade de advogados, contanto que se limite a levar ao conhecimento do público em geral, ou da clientela, em particular, dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia que se propõe a prestar, observadas as normas do Código de Ética e Disciplina e as deste Provimento”.

Sendo assim, veja resumidamente a seguir quais são as ações que podem ou não podem ser praticadas pelos advogados brasileiros.

Ações permitidas no Marketing Jurídico:

  • Veicular anúncio da sociedade de advogados, contendo nomes e registro na OAB dos advogados, número de registro da sociedade de advogados, endereço eletrônico e horário de atendimento;
  • Ter site e blog;
  • Divulgar o seu site na internet;
  • Utilizar logotipos compatíveis com a sobriedade da advocacia;
  • Mencionar a especialidade do escritório ou advogado em anúncio;
  • Usar fotografias compatíveis com a sobriedade da advocacia nas home pages;
  • Divulgar eventos nos quais o advogado irá participar como palestrante;
  • Participar de páginas de cadastro de profissionais jurídicos na internet.

Ações proibidas no Marketing Jurídico:

  • Fazer publicidade no rádio ou na televisão;
  • Utilizar cores extravagantes na placa de identificação do escritório (as cores devem ser discretas e moderadas);
  • Utilizar dizeres próprios de atividade comercial, como “Consulte-nos hoje mesmo!”;
  • Ofertar consultas gratuitas no site;
  • Utilizar fotos dos prédios dos Tribunais;
  • Fixar honorários e forma de pagamento mediante depósito bancário;
  • Impossibilitar a identificação do profissional responsável pelo mau serviço em face da impessoalidade dos contatos;
  • Estampar nome profissional em objetos estranhos à advocacia, como chaveiros e calendários.

Observadas todas essas questões, é hora de começar a desenvolver um caminho para o marketing jurídico do seu escritório.

 

Como começar

Mas, para começar a desenvolver a sua estratégia, é extremamente importante definir o seu ramo de atuação (por exemplo: direito civil, administrativo, ambiental etc.) e o público alvo que você pretende atingir, ou seja, os possíveis clientes que você quer impactar.

Lembre-se que para definir um público-alvo, devem ser levantadas e consideradas algumas questões, como a condição econômica e social, a profissão, a faixa etária, a região e outros dados do seu possível público.

 

Próximos passos

Feito isso, você vai precisar decidir em quais canais de comunicação você vai atuar. A partir daí será necessário aplicar o Marketing de Conteúdo, no qual você deverá priorizar o incomum. Isso quer dizer que as pessoas não buscam mais do mesmo, elas procuram e dão preferência para o profissional diferenciado, que tem algo a mais a oferecer.

E como fazer isso? Você deve ficar atento à atuação de outros advogados para entender como os profissionais do seu ramo estão se apresentando atualmente, se atualizar e, melhor ainda, se destacar. Além disso, é fundamental demonstrar ter autoridade nos assuntos que você vai utilizar para a impactar os futuros clientes.

Outro fator importante, é utilizar uma linguagem clara e de fácil compreensão para o seu público alvo. Utilizar o “juridiquês”, linguagem reconhecida por outros advogados, não é o adequado para o seu público final.

 

O que preciso saber

Finalmente, é importante considerar que o Marketing Digital é o que vai te ajudar a atrair possíveis clientes e a transmitir credibilidade e segurança para eles. Como consequência, você deve ainda manter um relacionamento claro e transparente a fim de conquistar a sua confiança para torna-los clientes fiéis.

 

Os 4 P’s do marketing

Vale conhecer ainda uma ótima estratégia, também conhecida como Marketing Mix, os 4 P’s do marketing, que são os quatro pilares da modalidade. Eles foram criados pelo estudioso e professor, Jerome McCarthy, e mais tarde difundidos por Philip Kotler, já citado anteriormente como o pai do marketing. São eles:

  1. Produto
  2. Preço
  3. Praça
  4. Promoção

Para que você possa entender melhor sobre cada um dos 4 P’s do marketing, veja a seguir a definição para cada um deles.

Produto

O produto é o que você tem a ofertar para o seu público alvo. E é válido considerar que para ofertar um produto ou serviço, como ocorre no caso dos advogados, é necessário definir o seu objetivo e principalmente o seu diferencial comparado aos serviços ofertados por outros advogados.

Preço

No caso do preço, você deve definir o valor ou os valores a serem cobrados pelos seus serviços, levando em conta o quanto o seu público alvo está disposto a pagar por eles. Vale considerar o seu diferencial e esclarecer as vantagens dos seus serviços para justificar o seu preço.

Praça

Aqui se aplica o que já citamos anteriormente sobre a definição de onde você irá atuar, ou seja, como o seu público alvo chegará até você. No caso das mídias sociais, você deve defini-las e saber produzir conteúdo específico para o que o seu público alvo busca consumir de informação em cada uma delas.

Promoção

Por último, mas não menos importante, a promoção envolve as estratégias para a divulgação dos seus serviços. Portanto, isso vai além de “ofertar”, na verdade se refere a como você irá promover o seu negócio.

No caso dos advogados, respeitando o Código de Ética, é válido ressaltar que o ponto principal é produzir conteúdos informativos. Isso irá ajudar a demonstrar autoridade no seu segmento, o que pode vir a gerar possíveis clientes, impactados a partir da sua informação e do seu diferencial.

 

Inbound marketing

O Inbound Marketing é um tipo de marketing que foi desenvolvido para transformar a comunicação entre a empresa e o cliente, de forma a suavizar esse relacionamento e fazer com que a venda seja uma consequência desse contato.

Dessa forma, considera-se o Inbound Marketing ideal para o marketing jurídico, uma vez que os advogados precisam ser sutis e extremamente discretos em sua comunicação voltada à publicidade e propaganda dos seus serviços.

Para utilizar o Inbound Marketing é preciso montar uma estratégia, por meio da qual entende-se a necessidade do cliente para depois oferecer soluções para os seus problemas. Afinal, hoje em dia, quanto mais opções para facilitar a vida das pessoas, melhor.

O grande diferencial do Inbound Marketing é que ele não precisa envolver diretamente o seu produto ou serviço. Essas soluções devem ser oferecidas através de informação. Por isso, voltamos a falar no Marketing de Conteúdo.

O blog, por exemplo, é uma ótima opção para compartilhar conteúdos que ofereçam soluções ligadas ao seu segmento, reforçando a sua autoridade no assunto. Isso é o que vai atrair as pessoas que precisam dessas soluções e fazer com que conheçam o seu espaço e, consequentemente, o seu negócio, os seus serviços e os seus contatos. E tudo isso pode resultar numa possível venda no futuro.

Por fim, vale destacar que o Inbound Marketing para os advogados ainda pode ser dividido em quatro fases fundamentais: atrair, converter, fechar e manter. Descubra como aplicar cada uma dessas fases a seguir.

Atrair

Nessa primeira etapa, o Marketing de Conteúdo é o principal responsável por atrair o seu público alvo. Por isso, a criação desses conteúdos deve despertar o interesse do público a partir das soluções oferecidas. Esses conteúdos podem ser publicados nas redes sociais, no blog, no site, no YouTube etc.

Dica: você pode produzir textos ou vídeos explicativos sobre a atualização ou publicação de novas leis. Dessa forma, você irá oferecer conteúdo útil, sem fazer propaganda explícita do seu serviço.

Converter

Após atrair o seu público-alvo, é necessário iniciar um relacionamento. Essa etapa se chama prospecção de clientes e é realizada a partir da fase em que o cliente demonstrou certo interesse nos conteúdos oferecidos.

Para fazer essa conversão, é possível criar um formulário no seu site, por exemplo, através do qual o cliente deverá informar seu nome, e-mail e telefone. Dados que já possibilitam o envio de conteúdos específicos para essas pessoas cadastradas.

Fechar

A terceira etapa funciona para efetivar um lead em cliente. Aqui é necessário identificar as oportunidades que cada lead da sua empresa poderá gerar para seu negócio. Nessa etapa, devem haver propostas comerciais bem desenvolvidas, onde conteúdos diferenciados fazem a diferença.

Manter

Após efetivar o cliente, é necessário mantê-lo. Nessa última etapa, o resultado do inbound marketing já funcionou e agora é necessário fidelizar a sua carteira de clientes. Para isso, é possível realizar um pós-venda personalizado. Uma boa ideia é disponibilizar um e-book exclusivo, por exemplo. Enviar por e-mail uma pesquisa de atendimento e demonstrar interesse às expectativas do cliente também são providenciais.

Agora você já sabe que é possível aplicar o Marketing Jurídico e alcançar ótimos resultados com isso, ampliando a sua carteira de clientes, sem infringir os itens do Código de Ética da OAB. Então, não perca tempo e coloque em prática essas ações!

Cadastre-se para receber conteúdos exclusivos por e-mail
InfographyaMarketing para advogados: O Marketing Jurídico